Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Não fui ao Machu Picchu (conto-te o que ninguém diz)

Quando é que vão ao Machu Picchu?

Perdi a conta às vezes que nos fizeram esta pergunta. Acho que 80% dos peruanos com quem falámos nos perguntaram isto. O Machu Picchu é, sem dúvida, uma das principais atracções (e das mais importantes para os peruanos). E eu já nem respondia: “Não fui ao Machu Picchu”, senão a conversa teria de terminar com uma justificação. Vezes sem conta.

A questão é que muitas vezes, nem os próprios peruanos podem visitar este monumento, por motivos económicos.

Se pensavas que podias chegar a esta maravilha do mundo facilmente (de taxi ou autocarro por um caminho seguro e normal), estás enganado. Eu também estava enganada, por isso decidi fazer este post: para vos ajudar a entender como chegar até aqui.

Há duas formas de chegar ao Machu Picchu:

Forma directa: Comboio – Total: 217 euros (por pessoa)

  • 170 dólares por pessoa (viagem de ida e volta)
  • Viagem de 1h30
  • + entrada no Machu Picchu de 47 dólares por pessoa

Forma indirecta: Autocarro – Aproximadamente 110 euros por pessoa (contando transporte + alojamento + comida + entrada ao Machu Picchu) + todod o tempo até lá chegar

  • 20 dólares por pessoa (viagem de ida e volta);
  • Viagem de 5 horas por um caminho estreito onde pode haver derrumbamento de terra (principalmente em época de chuvas);
  • Depois de chegar à hidroeléctrica (onde te leva o autocarro), tens de caminhar durante 3 horas até chegar a Águas Calientes (a aldeia mais próxima do Machu Picchu);
  • Dormir em Águas Calientes (preço a partir de 20 dólares);
  • Na manhã seguinte tens de caminhar durante 2 horas até ao Machu Picchu e pagar 47 dólares por pessoa;
  • Para regressar, terás de passar por todo o processo se não quiseres pagar uma viagem de regresso no comboio.

É óbvio que depois de ter em conta estas duas formas de chegar ao Machu Picchu, nos inclinamos pela segunda. Nem vale a pena dizer porquê, não é? O preço abusivo cobrado por um comboio privado é revoltante.

Mas…

Decidimos não arriscar as nossas vidas porque estamos a viajar em época de chuvas e lemos muitos blogues e opiniões de gente que não recomendava de todo ir numa viagem tão arriscada onde existia risco de derrumbamento de estradas.

Além disso, estamos a viajar há tanto tempo.

E este foi também um motivo de peso. Compreendo que para quem vem exclusivamente ao Perú e venha em modo “tudo incluído”, queira visitar e visite este monumento central, esta referência do país (sem sequer se aperceber da dificultade que é chegar até aqui).

É normal, até porque nesse tipo de viagens as pessoas costumam ir em grupo e não estão muito preocupadas com a organização (porque a agência já tratou de tudo, previamente). Nós decidimos não fazê-lo durante a nossa visita ao país.

Deixa aqui o teu comentário

error: O conteúdo está protegido.
Dora Matos - Health Coach