Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Quando não te contam o lado mau (ou real) de alguns destinos "paradisíacos"

Aconteceu várias vezes durante a minha viagem à Ásia. Chegar a certos destinos e pensar que ía encontrar outra coisa… mais bonita, com menos turistas, mais autêntica… Quantas vezes? E por que ninguém mostra isso? Porque estamos tão habituados às fotos bonitas e à realidade parcialmente inventada? Por que não queremos admitir que encontrámos sítios que nos disseram que eram lindos e muito recomendáveis, mas afinal eram horríveis? Durante a minha viagem cheguei até a pensar se as pessoas que escreveram sobre certos destinos tinham estado alguma vez ali.

“Nos blogues era uma maravilha, mas cheguei e era um fiasco”

Porque não dizemos essas coisas?
Começemos por Kuta, Lombok…

E sim, vou-vos contar alguns exemplos onde isto aconteceu: Começemos por Kuta, Lombok– que isso sim, sentimos que foi fiasco, completamente. Se quiserem ver ou recordar a má experiência, podem lê-la por completo aqui.



Cheguei a Kuta Lombok cheia de expectativas, depois de ouvir tantas histórias de paraíso intocado nos blogues de viagens e de alguns instagrammers. Ficámos dois dias por ali para explorar a zona e procurar a magia que tinha ouvido falar tanto. Kuta Cidade é um sítio cheio de pó, sujo, com não muito mais que alguns warungs, cães, vacas, mesquitas e crianças descalças a vender pulseiras incessantemente. Isso sim, com os pais a vigiá-las em cima das motos (mas, obviamente disfarçando o facto de que não são os seus pais), para despois as levarem a outros restaurantes e assim constantemente (até considerarem que fizeram um bom negócio com as suas filhas).


(Para os que pensam que tanta sujeira se devia ao terremoto do passado mês de Agosto, desenganem-se, porque os estragos não chegaram ao sul da ilha, que é onde fica Kuta). As estradas a oeste de Kuta proporcionam excelentes vistas ao mar azul, uma porção esparsa de palmeiras, mas a terra nas colinas é árida e estéril, o que apresenta pouco interesse e muita poeira para quem se desloca de mota.

Podem continuar a ler o post aqui.


Templo de Ulun Danu, em Bali

Eu pensava que ficava mesmo no meio do lago! Essa foi a primeira impressão, mas não, tem acesso por terra! Se vocês pesquisarem brevemente por este templo vão ver que as fotos dão a entender o que eu digo. Confesso que estava à espera de encontrar o templo isolado, no meio do lago (até por vezes me perguntava se era mesmo este o templo que tinha visto na internet). É aquela teoria de procurar pelo melhor ângulo da fotografia, mas não mostrar o que se passa à volta dela. De qualquer forma, isto não desmerece DE TODO a beleza do templo que é de facto, muito bonito!
Não quero dizer com isto que este templo não valha a pena ver, nem nada parecido. Gostei muito do templo, gostei do sítio, estava feliz por estar em Bali. E recomendo que o visitem! Mas nem sempre temos os sítios só para nós, ou  nem sempre são como vimos naquela foto no Instagram ou Facebook. Nada como ir experimentar e ver com os próprios olhos, não é?
https://www.instagram.com/p/Bofy-wTHHxA/

Penang National Park, na Malásia

Este é daqueles que me supreendeu também, sobretudo pela lixeira que havia nas praias e a água do mar bastante poluída. Afinal de contas é um Parque Nacional… Estava à espera de ver o sítio mais bem cuidado. Uma das visitas turísticas mais conhecidas e feita pelos turistas naquele parque é a praia dos macacos “Monkey Beach”, mas nós não fomos porque não nos apetecia, com tudo o que tinhamos visto até ali… Ficamos a dormir naquela zona que surpreendentemente “era um destino recomendado” na internet!


Resultado da visita áquela zona: Não havia nada para ver ou fazer ali. Os restaurantes estavam todos fechados e não havia um ambiente agradável, como estavamos à espera. Acabamos por ir embora uma noite antes da que prevíamos e voltar para GeorgeTown (essa sim, vale a pena ver!). Mas em jeito de conclusão: o que não compreendo até o dia de hoje é o que é que Kuta Lombok tem de especial, essa é a verdade.


De qualquer forma, o objectivo deste artigo é de alertar para o facto de que nem sempre tudo aquilo que lemos e vemos nas fotos é verdade. Devemos procurar muito, investigar, e nunca deixar de lado a nossa intuição, porque pode falhar (para ambos os lados, como digo). Ah, este artigo – como é óbvio – reflecte apenas a minha opinião sobre os sítios que visitei e vivi. A vossa experiência pode ser muito melhor (ou pior), nunca se sabe. O melhor mesmo é vermos nós mesmos, correcto? 🙂


 

Leave a comment

error: O conteúdo está protegido.
Dora Matos - Health Coach