Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Oh Dora, tu comes sempre assim, fit?

Na maior parte dos dias sim, tal como mostro aqui 🙂 Não tenho uma vida paralela (lol). Não quer dizer que não haja dias que não coma pizzas ou gelados, mas sinceramente, comer da forma que como hoje em dia tornou o meu paladar bem mais exigente com o tempo. Convosco aconteceu o mesmo? Agora não é qualquer coisa que me sabe bem ou que me dá prazer comer, porque sinto (com muito mais facilidade) as quantidades de sal e açúcar presentes nos alimentos.

Uma curiosidade…

A última vez que comi um KitKat e dei por mim a perguntar (mas super inocente e admirada): “Olha, então, adicionaram mais açúcar ao KitKat?”. Não, efectivamente esse açúcar sempre lá esteve, só que eu agora consigo notar muito mais intensamente esse açúcar do que antes. É curioso isto do paladar, não é? 

“Como e quando é que começaste a comer de forma mais saudável?”

Sinceramente, não tenho esse momento marcado de forma clara. Primeiro comecei a praticar desporto regularmente, mas realmente não tinha nenhum objectivo em mente. Fazia (e faço) desporto diariamente para me sentir bem (e também para me manter em forma)… Eu sempre fiz desporto, toda a minha vida, mas chega a uma altura na vida que o desporto se entende de forma diferente (não é?). Comecei-me sentir mais fresca, mais lúcida… Mas nessa altura (há uns 7 anos?) ainda não tinha introduzido as papas de aveia, os smoothies e as panquecas na minha alimentação… Continuava com os bacalhaus com natas, os molhos de tomate de supermercado… Para terem uma ideia 😉
https://www.youtube.com/watch?v=pWjXu98Qnhk&t=191s

“E que é que mudaste na tua alimentação?”

Retirei o leite e nata de cozinhar (não por motivos ideológicos), mas porque é um alimento que não complementa nem auxilia o meu estilo de vida actual. No meu caso, sinto que o leite é um alimento bastante pesado e de difícil digestão. Outra coisa que diminui bastante foi o consumo de carne. Evito comer molhos de compra, prefiro fazê-los eu própria.

Substituições que fiz ao longo dos anos:
  • Leite – Bebida vegetal de aveia ou amêndoa
  • Nata – Creme vegetal de coco
  • Carne – Mais legumes e verduras
  • Molhos de compra – Molhos caseiros
  • Cereais “de supermercado” – Flocos de aveia, sementes várias e granola
  • Sumos “de supermercado” – Smoothies e sumos caseiros (sempre!)
  • Bolos “de supermercado” – Panquecas, bolos e snacks caseiros

E houve uma série de alimentos que desconhecia ou ignorava nessa altura e introduzi como a quinoa, o arroz basmati, abacate, couve-flor, batata doce, farinha de amêndoa, de coco ou de trigo sarraceno, açaí…

O que é que gosto mais de comer “fora do que é FIT”?

Adoro uma boa pizza, mas uma pizza autêntica italiana e não as das cadeias de pizzas mais conhecidas. E gelados italianos (adoro!). Gosto de comer um bom hamburguer e adoro batatas fritas! Acho que as batatas fritas são mesmo o meu handicap. Outra coisa que amo são pipocas, não posso dizer que não. Pipocas doces, para deixar bem explícito. Ir ao cinema e não comer pipocas, é como fazer metade do plano 🙂 Só por este parágrafo, vêem que sou uma pessoa que odeia comer em geral, não é?

“E não te sentes mal depois de comeres isso?”

Geralmente não, porque são momentos muito pontuais, esporádicos. O facto de comer de forma mais equilibrada e saudável também me ensinou a medir as quantidades daquilo que consumo. Mas sim, já me cheguei a sentir mal depois de comer um balde de pipocas no cinema (mal de estômago e mal comigo mesma). Os exageros nunca são bons, e o nosso corpo sabe disso. E a mente também. No entanto, nunca nos devemos punir por algo como a comida porque nós somos os principais responsáveis por aquilo que comemos. Culpabilizarmo-nos por comer determinada coisa não está correcto connosco. E aliás, devemos olhar para a comida de forma normal e equilibrada.
VER TAMBÉM: Comer saudável não influencia só o corpo, também o ânimo

“Nem comes mal quando estás de férias?”

Para mim “estar de férias” não significa descontrolo total, e “o dia-a-dia” tampouco significa restringir ao máximo os alimentos “não fits”. Tanto nos pode apetecer uma pizza numa Quarta-Feira de trabalho como nos pode apetecer comer uma salada estando de férias, ou vice-versa. É importante ter em conta que estilo de vida levamos e queremos levar: que comemos, de onde provém a comida que comemos e como a cozinhamos.


Comer de tudo de forma equilibrada é o meu lema para uma vida mais plena e mais saudável. E o teu, qual é?


Deixa aqui o teu comentário

error: O conteúdo está protegido.
Dora Matos - Health Coach